Uso do Pix em crimes de sequestro relâmpago e roubo à mão armada tem alta de quase 300% em SP

roubo pix2_Noticia

SEGURANÇA PÚBLICA | Entre abril e julho deste ano, o Estado de São Paulo teve alta de quase 300% nos registros de boletins de ocorrência que relatam uso do Pix em crimes de sequestro relâmpago e roubo à mão armada, em comparação com o período entre dezembro de 2020 e março de 2021.

Em entrevista para a Folha de S.Paulo, nosso chairman e sócio-fundador, Renato Opice Blum, disse que não é possível abolir de vez o uso de transferências bancárias, já que a tecnologia faz parte da rotina da maioria das pessoas. No entanto, o advogado sugeriu que os adeptos do Pix prefiram usar como chave de acesso o e-mail ou a opção que gera combinação de letras e números aleatórios, o que faz com que o beneficiário não tenha acesso a dados pessoais, como CPF e celular.

Considerando a dificuldade para conseguir o ressarcimento dos valores transferidos via Pix, especialistas em segurança pública e tecnologia orientam que as pessoas procurem os bancos para travar os limites diários de transferências, como forma de reduzir o prejuízo, caso sejam vítimas desses crimes.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp