Tecnologia Assistiva foi tema do Café da Manhã Digital deste mês

03

ACESSIBILIDADE DIGITAL | “A acessibilidade digital não ganhou valor no mercado, assim como a acessibilidade em geral ainda não ganhou a atenção da sociedade. Pensar em acessibilidade tem de ser objetivo de todos”. Foi dessa forma que o advogado Cid Torquato, CEO do ICOM-Libras, abriu nosso Café da Manhã Digital deste mês, que teve como tema “Acessibilidade Digital e Tecnologias Assistivas”.

Tetraplégico após um acidente em 2007, Cid ressaltou que cerca de 10% da população do país possui algum tipo de deficiência, o que reforça a necessidade de pensar e colocar em prática as chamadas tecnologias assistivas, que representam um braço da acessibilidade digital. “É tudo o que facilita a vida de pessoas com deficiência”, definiu.

No ambiente digital, os exemplos de acessibilidade são inúmeros, como audiodescrição, fonte ampliada e contraste, descrição de imagens (fotos e vídeos), leitores de tela, softwares e plugins, além de legendas e outros mecanismos que permitem à pessoa com deficiência maior independência também no virtual.

Cid explicou que, no âmbito jurídico, a acessibilidade é destaque em algumas legislações, que incluem, além da Constituição Federal, o Marco Civil da Internet e a Lei Brasileira de Inclusão, que, segundo ele, é pouco conhecida dos brasileiros. “Com a tecnologia assistiva correta, as pessoas com deficiência podem voar e conquistar seus lugares na sociedade”, disse.

Por fim, o advogado afirmou que a “acessibilidade é fundamental para a estruturação de sociedades sustentáveis”. Cid chamou a atenção para o fato de a acessibilidade não ser necessidade apenas de pessoas com deficiência. “Hoje, um bilhão de pessoas precisam de um ou mais produto de tecnologia assistiva”. Em 2030, esse número dobrará.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp